BLOG

O que é franquia? Conheça tudo sobre esse setor de sucesso

Na hora de decidir empreender, a palavra “franchising” sempre aparece. Do francês, a palavra se refere ao modelo de negócios de franquias, e você já deve ter convivido com muitas delas. Elas estão em toda parte: nas farmácias, shoppings, escolas, lojas de roupas, multinacionais e marcas que consumimos no nosso dia a dia. Você sabia, por exemplo, que a Coca-cola é uma franquia? Também, marcas como Havaianas, Subway, McDonald’s, Cacau Show e outras que estão presentes o tempo todo ao nosso redor trabalham no modelo do franchising.

O franchising se expande para os quatro cantos. Como um sistema muito seguro, próspero e rentável, ele atrai novas marcas e empreendedores a todo momento. Assim, a cada dia é mais comum ver empresas se tornarem grandes no modelo de franquias. No Brasil, o sistema tem se expandido sem interrupção desde que chegou no país, e o setor do franchising fatura bilhões a cada ano, movimentando a economia e empregando milhares de brasileiros.

Só que, para muita gente, pode não ser tão fácil entender o sistema de franquias só de olhar, porque ele não funciona no modelo tradicional de empreendimento que conhecemos. E se você quer começar a empreender – ou simplesmente conhecer melhor o mundo a sua volta, precisa entender o franchising. Nesse texto, vamos te mostrar o contexto atual do franchising no Brasil, sua história, modelo de funcionamento, instituições e legislações, além de desvantagens e vantagens do sistema. Assim, você pode perceber se o franchising é ou não para você!

O que é franquia?

Desde sua chegada no Brasil, o franchising não deixa de crescer. Atualmente, ele está em seu mais alto desempenho após a crise sanitária da covid-19. Com a pandemia, o isolamento social e o fechamento do comércio presencial, muitos setores da economia sofreram, e o franchising não foi diferente. Porém, mesmo no contexto pandêmico, as franquias no Brasil deram a volta por cima e conseguiram encontrar alternativas para continuar funcionando e faturando.

De acordo com o relatório de análise anual da ABF franchising, o quarto semestre de 2022 no franchising superou, até mesmo, o patamar pré-pandemia, o que mostra um crescimento real, para além da recuperação econômica. O 4º trimestre de 2022 foi marcado pela melhor performance dos últimos 3 anos, e com um crescimento de mais de 12% em relação ao mesmo período do ano anterior. O faturamento foi de 63,8 bilhões de reais, em comparação com 56,6 bilhões em 2021.

Já o faturamento anual do franchising brasileiro em 2022, ainda segundo a ABF, foi de (pasme) R$ 211,4 bilhões, passando até mesmo o faturamento de 2019, antes da pandemia, que foi de R$ 186,7 bilhões.

Franquias no país hoje

Em relação aos segmentos, o que mais faturou, como de costume, foi o segmento de franquias de alimentação, que comporta franquias enormes, mas também franquias menores, como a Dogueria Perdizes, que proporcionam ao franqueado um faturamento de até R$ 1 milhão por ano.

Em sequência, estão os setores de Alimentação (food-service), franquias de Casa e Construção e Comunicação, seguidos por todos os demais. A contribuição para a economia brasileira é direta e muito evidente. De acordo com a pesquisa da ABF, cada franquia gera, em média, 9 empregos diretos. E, atualmente, o Brasil ultrapassou o marco de 3 mil marcas de franquias, com 184.354 unidades franqueadas, no total. Com isso, são 1.589.276 empregos gerados pelo franchising no Brasil.

As maiores franquias levantadas pela ABF franchising em número de unidades (elencamos as primeiras 10) no ano de 2022 foram: Cacau Show, O Boticário, McDonald’s, Ortobom, Odontocompany, Subway, AM/PM, Seguralta, Lubrax+ e Óticas Carol.

Tudo isso deve ter te mostrado como o franchising é um setor de sucesso, promissor e que pode te trazer muitos lucros, certo? As projeções para 2023 são de um crescimento de até 12% no faturamento, 4% no número de redes, 10% no número de operações e um crescimento de 10% na geração de empregos. Então, está na hora de entender cada detalhe desse modelo de negócios e, quem sabe, se preparar para fazer parte dele. Venha conosco!

O que é franquia

Como funciona a franquia?

Uma franquia é uma maneira pela qual um empresário decide expandir sua empresa para uma nova unidade. Assim, vende seus direitos de marca e patente para um ou mais novos empreendedores. Esse proprietário é chamado de franqueador e a nova filial é chamada de franqueador. O franqueado não tem vínculo empregatício com a franqueadora, e paga mensalmente uma determinada taxa à franqueadora para manter o funcionamento da marca.

Uma franquia é conhecida por ter todas as suas unidades com a mesma identidade, distribuídas em locais diferentes: as unidades da franquia podem ser organizadas na internet, na mesma cidade, ou em estados e países diferentes. No entanto, cada uma dessas unidades deve utilizar as mesmas cores, insumos, produtos e processos produtivos. Tudo é muito padronizado, fazendo com que os clientes se sintam sempre na mesma loja, proporcionando a unidade da marca.

Além disso, o sistema é capaz de gerar enormes lucros sem exigir tanto investimento de uma pessoa. O franchising é responsável por criar uma rede colaborativa entre investidores que compartilham a mesma marca de sucesso. Portanto, tanto o franqueador quanto o franqueado têm mais chances de sucesso. Por exemplo, este modelo de negócio lidera os outros em termos de sucesso! Segundo o SEBRAE, 80% das micro e pequenas empresas quebram nos primeiros cinco anos de fundação, enquanto no mercado de franquias cai para 15%.

Porém, ao contrário do que muitos pensam, não são apenas as grandes redes que podem aderir ao sistema de expansão de franquias. Assim, segundo a ABF franchising, existem atualmente mais de 3.000 empresas operando no sistema. Muitas delas são microfranquias – com investimento inicial de até R$ 80 mil. Portanto, em geral, são mais simples de operar e são coloquialmente chamadas de “franquias baratas”, mas isso não significa que não sejam lucrativas ou não tenham construído uma forte reputação no mercado.

História do franchising

O modelo de negócio de franchising remonta a tempos antigos, com registros que datam da Idade Média. Naquela época, o governo concedia o direito de arrecadar impostos e controlar as cidades para figuras importantes da Igreja, que pagavam taxas em troca desse privilégio e tinham permissão para realizar atividades econômicas.

Posteriormente, durante as grandes navegações, os reis designavam representantes em suas colônias para proteger os interesses da coroa e garantir a arrecadação de impostos, impulsionando o comércio entre diferentes países.

No entanto, a história do franchising é frequentemente contada a partir do momento em que o proprietário da empresa americana Singer, fabricante de máquinas de costura, concedeu o direito aos funcionários de vender essas máquinas mediante o pagamento de uma taxa e treinamento específico, em meados do século XIX.

Outras empresas que seguiram esse modelo de negócio incluem a General Motors, que permitiu que outros empresários vendessem seus veículos, a Harper Cabeleireiro, que ensinou suas técnicas a outras profissionais, e Henry Ford, que empregou o modelo de franchising em suas fábricas. A Coca-Cola também foi uma das pioneiras ao criar sua primeira franquia de fábrica de refrigerantes no início do século XX. Hoje, com o mundo cada vez mais globalizado, as marcas se espalham por todo o mundo, atingindo proporções inimagináveis.



Franchising no Brasil

O franchising chegou ao Brasil mais de cem anos após sua criação nos Estados Unidos. Na América do Norte, uma fábrica de máquinas de costura da marca Singer, em 1850, autorizou o uso de sua marca e método de fabricação para outras fábricas, com o objetivo de ampliar as vendas. Nessa época, a famosa Coca-Cola criou a sua primeira franquia de refrigerantes de cola. Mais de um século depois, em 1960, o modelo de negócios chegou ao Brasil por meio das escolas de idiomas, sendo o CCAA e Yazigi Internexus as primeiras franquias do país.

A partir dos anos 1970, com a popularização dos shoppings centers, as franquias começaram a ganhar popularidade no Brasil, sendo que algumas franquias americanas e internacionais, como o McDonald’s, chegaram ao país, marcando o início da globalização. A década seguinte foi marcada por um boom do franchising no Brasil.

Em 1987, apesar do cenário econômico instável, um grupo de empresários decidiu investir no ramo e criou a Associação Brasileira de Franchising (ABF), uma instituição sem fins lucrativos que estabeleceu regras e normas para o franchising, com o objetivo de garantir ética profissional na atuação dos empresários e franqueados.

No entanto, o crescimento do setor criou a necessidade de uma legislação nacional para regulamentar o franchising, que funcionava de forma diferente dos negócios tradicionais. Assim, em 1994, foi aprovada a Lei de franquias no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Desde então, o mercado de franquias cresceu muito no Brasil, e as franquias brasileiras foram internacionalizadas pelo mundo. Com a chegada da internet e das novas tecnologias digitais, a Lei de Franquias precisou ser atualizada, pois não se adaptava mais à realidade das novas franquias. Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro outorgou uma nova Lei de Franquias, que entrou em vigor em março de 2020, dando aos proprietários de franquias apenas três meses para revisar toda a documentação e contratos com os franqueados.

ABF franchising

A ABF, sigla para Associação Brasileira de Franchising, surgiu em julho de 1987 no Brasil com o intuito de fomentar a cultura do franchising e auxiliar no crescimento do mercado de franquias no país. Trata-se de uma organização sem fins lucrativos que oferece diversas atividades para franqueadores, franqueados e parceiros que atuam no setor. Por meio da criação de uma rede de colaboração entre profissionais do ramo, a ABF apoia, instrui e representa o franchising no território nacional, tornando-se uma referência na formatação de franquias e na consolidação de negócios de sucesso.

Ademais, a ABF pode contribuir para aprimorar o Geomarketing dos negociadores, além de ajudá-los a compreender melhor a Circular de Oferta de Franquias (COF). A entidade é considerada a segunda maior do setor no mundo e vem desempenhando um papel fundamental no desenvolvimento do mercado de franquias no Brasil. Sua sede está localizada em São Paulo, com uma seccional no Rio de Janeiro e outras regionais no interior de São Paulo, Minas Gerais, Nordeste, Centro-Oeste e Sul.

A criação da ABF ocorreu em um momento de incertezas econômicas, com apenas 11 franquias no país. Apesar disso, a ideia de investir no mercado de franquias mostrou-se promissora e bem-sucedida. Desde então, a ABF tem se preocupado em estabelecer regras e normas para o franchising, garantindo ética profissional na atuação dos empresários e franqueados.

Um marco importante para a ABF foi sua fusão com a Associação de Franchising Brasileira (Afrab) em 2007, o que proporcionou maior fortalecimento da organização e a tornou a única no ramo de franchising no Brasil.

Lei de franquias

O Brasil é um dos raros países que conta com uma legislação específica para a regulamentação do sistema de franchising. A Lei nº 8.955, criada durante o governo Sarney, em dezembro de 1994, foi um divisor de águas para o franchising no país, contribuindo para sua consolidação como modelo de negócios. Entretanto, devido às mudanças e modernização das franquias, a lei precisou ser atualizada e complementada durante o governo de Jair Bolsonaro, resultando na Lei nº 13.966, outorgada em dezembro de 2019 e em vigor a partir de 2020. A Lei de Franquias regulamenta diversos aspectos do franchising, como as taxas que devem ser pagas, a elaboração e assinatura de documentos, e as obrigações legais de todas as partes envolvidas.

A nova lei de franquias, de 2019, estabelece que o franqueado deve pagar ao franqueador uma taxa mensal, além de detalhar minuciosamente a elaboração da Circular de Oferta de Franquia (COF), que é um documento que todas as franquias devem possuir e entregar aos seus potenciais franqueados, descrevendo a situação e as características da marca. A Lei de Franquias dedica grande parte de sua regulamentação à COF, mas também esclarece questões como a possibilidade de compra e venda de unidades de franquias de outros países, bem como o fato de que não há vínculo empregatício entre franqueador e franqueado.

COF

A Lei de Franquias estipula claramente um dos documentos mais essenciais no sistema de franchising: a Circular de Oferta de Franquia (COF). Conforme a regulamentação, o franqueador é obrigado a fornecer esse documento ao interessado em adquirir uma unidade da franquia com pelo menos 10 dias de antecedência antes da assinatura do contrato, sob risco de sanções legais.

A COF deve conter todas as informações da franquia, como o número de unidades existentes, localização, perfil do franqueado ideal, resumo da história da franquia, dados do franqueador, resultados financeiros obtidos pela franquia nos últimos dois anos, bem como detalhes sobre quaisquer ações judiciais que a empresa possa ter enfrentado, entre outras informações relevantes.

Além disso, esse documento deve esclarecer as regras que regem o relacionamento entre franqueador e franqueado, incluindo os serviços de suporte oferecidos pela matriz, bem como detalhar minuciosamente todas as taxas que o franqueado deve pagar, como royalties, taxa de propaganda, seguro mínimo da unidade, entre outras.

Outro aspecto crucial que a COF deve abordar é uma lista completa de todos os ex-franqueados que deixaram a empresa, juntamente com suas informações de contato. Essa informação é vital para novos candidatos a franqueados, pois dá a eles a oportunidade de conversar com pessoas que desistiram da franquia e obter informações sobre as desvantagens do negócio.

Para franqueadores que não cumprem as exigências legais relacionadas à COF, a lei prevê: “§ 2º No caso de não cumprimento do disposto no § 1º, o franqueado pode alegar nulidade ou anulabilidade, conforme o caso, e exigir o reembolso de quaisquer quantias já pagas ao franqueador, ou a terceiros por ele indicados, a título de filiação ou royalties, corrigidas monetariamente.”

Tipos de franquias

Agora que você já entendeu todo o funcionamento e história do franchising, resta saber que não há apenas um tipo de franquia. Você já deve ter notado, por exemplo, que existem unidades maiores e menores de uma mesma marca, às vezes, até dentro de um próprio shopping. Pois saiba que essas unidades costumam ser de donos diferentes, porque são franquias independentes. Existem diversos tipos e modelos, e vamos te apresentar cada um deles:

Microfranquias

As microfranquias são um modelo de franchising com investimento inicial um pouco mais elevado do que as minifranquias e mais baixo que as franquias tradicionais. De acordo com a ABF Franchising, o investimento para essas franquias pode chegar a três vezes o valor do PIB per capita anual. No Brasil em 2022, o valor do PIB por pessoa foi de R$ 42.625, o que quer dizer que uma microfranquia pode custar até R$ 127,87. Até esse valor, é considerado um investimento reduzido para o franchising.

As microfranquias são geralmente oferecidas por grandes marcas, como quiosques em shoppings. Elas são opções mais baratas, pois exigem menos infraestrutura, mas ainda contam com um espaço físico, funcionários e um sistema de trabalho presencial. As microfranquias são ideais para investidores que desejam começar com um valor menor e, posteriormente, expandir o negócio para um modelo maior.

o que é franquia
Franquias tradicionais

As lojas franqueadas tradicionais possuem investimento ilimitado, geralmente possuem lojas físicas e um grande número de funcionários. São considerados investimentos de médio a longo prazo porque, embora o potencial de lucro seja grande, pode levar mais tempo para recuperar o valor do investimento.

Mas não pense que são maus negócios: as franquias com maior investimento são as que garantem rentabilidade no longo prazo e têm potencial para se consolidar onde quer que se instalem.

Minifranquias

As minifranquias são modelos de franchising com investimento inicial ainda mais reduzido. O valor máximo de investimento para essa modalidade é de R$ 50 mil, o que pode ser considerado um valor modesto para abrir um negócio. Esse modelo consegue ser tão mais barato porque, geralmente, ele não exige a abertura de um local físico para a franquia. As minifranquias são conhecidas por funcionar no modelo home-based, em que o empreendedor trabalha só com um computador e internet.

O conceito de minifranquias ganhou popularidade durante a pandemia, que levou muitas pessoas a trabalhar em casa e a reinventar seus negócios. Franquias sem necessidade de um espaço físico representam uma opção mais econômica e atraente. Com pouco dinheiro, é possível abrir uma minifranquia e começar a lucrar em pouco tempo, muitas vezes apenas com um computador.

As pequenas franquias têm se destacado no mercado empreendedor e são consideradas uma das melhores opções de investimento para 2022. O retorno financeiro prometido por essas franquias é alto, levando em conta o baixo custo operacional.

Master franquias

O modelo de máster franquia é indicado para franqueados com ampla experiência e destaque no setor. Nesse caso, o franqueado recebe autorização para atuar como franqueador, criando novas unidades em sua área de atuação. Isso permite que o franqueado de destaque atraia novos investidores e se torne responsável pela abertura de novas unidades sob sua supervisão.

As master franquias são uma excelente maneira de expandir ainda mais uma marca e fortalecê-la por meio de uma rede cada vez mais ampla de franquias. O conceito de franquia-mestre se refere à unidade que antes era franqueada e agora se tornou franqueadora.

Um exemplo de máster franquia é o méqui 1000 na Av. Paulista, em São Paulo. As representantes das marcas nos países são máster franquias.

Segmentos de franquias no Brasil

O franchising no Brasil é organizado pela Associação Brasileira de Franchising – ABF, entidade sem fins lucrativos que regula e fortalece o franchising no país. Na ABF, o franchising é dividido em divisões, incluindo a divisão Fashion Franchise. Saiba quais são os setores de franquias no Brasil e as características de cada setor:

  • Franquia Food Service: Durante a pandemia de covid-19, a ABF Franchise teve que dividir a divisão de franquias de alimentação em duas para agregar food service. Este setor também representa alimentos, porém, é utilizado apenas para entrega de alimentos.
  • Franquias de alimentação: É a maior indústria com mais franquias, o maior faturamento e o que mais cresce. No terceiro trimestre de 2022, o faturamento do setor atingiu R$ 3,1 bilhões, um aumento de 8,4% em relação ao mesmo período de 2021. A indústria inclui restaurantes, lanchonetes, cafés, bares, padarias e muito mais.
  • Franquias de casa e construção: Cobre franquias de serviços e produtos. Serviços como reforma, aluguel, manutenção, etc. são fornecidos aqui. Mas também o é a franquia de venda de móveis e materiais de construção.
  • Franquias de Comunicações, TI e Eletrônicos: Esta indústria inclui toda a subdivisão de franquias de tecnologia, bem como livrarias e gráficas. Por exemplo, franquias de suporte técnico, fintech e marketing se enquadram nessa categoria.
  • Franquias de hotelaria e turismo: Hotéis e empresas de turismo são geralmente administrados por agências de viagens e turismo.
  • Franquias de Lazer: Franquias de Brinquedos, Parques de Diversões, Cinemas, etc.
  • Franquias de Limpeza e Conservação: Serviços de limpeza doméstica, incluindo franquias que prestam serviços de manutenção e limpeza de cadeiras e sofás.
  • Franquias de moda: As franquias de moda que abordaremos mais a fundo são aquelas especializadas no mercado de vestuário e acessórios. Eles incluem roupas, calçados, roupas íntimas, joias e bolsas.
  • Franquias de Saúde, Beleza e Bem-Estar: Indústria bastante abrangente e a que mais faturou no terceiro trimestre de 2022, chegando a R$ 12,4 bilhões.As franquias incluem cosméticos, clínicas de estética e franquias odontológicas.
  • Franquias de serviços automotivos: Este prestador de serviços oferece reparos de carros, reformas, limpeza e um martelo de ouro.
  • Franquias de serviços educacionais: O franchising no Brasil começou com a primeira franquia de serviço educacional.  Era a Wizard, que é uma escola de idiomas.  Outras marcas franqueadas educacionais incluem escolas de esportes, kumon e jardins de infância.
  • Franquias de serviços: Esta categoria inclui todas as franquias de serviços não listadas nas anteriores.

Taxas de franquias

O franchising traz muitos benefícios tanto para o franqueador quanto para o franqueado, criando um relacionamento de apoio entre os dois que pode fazer o negócio crescer. No entanto, esta cooperação não é inteiramente da vontade de ambas as partes, não havendo regulamentação.

A utilização das marcas e patentes dos franqueados exige o pagamento de taxas, que são pagas pelos franqueados. Além disso, essas taxas são utilizadas como financiamento para manter o sistema integrado e possibilitar cada vez mais desenvolvimento.

O primeiro pagamento que o franqueado faz ao franqueador é a taxa de franquia. Esse pagamento é feito como forma de “comprar” o direito de abertura da unidade da marca e deve ser preenchido e assinado junto com o contrato antes do início do negócio. Esta é a taxa comumente usada para categorizar franquias com base no valor cobrado.

A segunda e mais conhecida taxa de franquia é o royalty. Este será um valor acordado que deverá ser pago mensalmente pelo franqueado como benefício do uso continuado da marca da empresa. A lei de franquia não dita quais devem ser esses valores, deixando a critério dos envolvidos negociar uma taxa.

A última despesa que existe em uma franquia são os fundos de publicidade. Esse é o valor que todas as unidades franqueadas pagam mensalmente à sua matriz. Lá, o franqueador ficará responsável por usar esse dinheiro acumulado para investir em marketing geral da marca.

O valor pago por uma unidade franqueada não significa exatamente que o mesmo valor será utilizado para sua divulgação, mas sim para o negócio como um todo.

Vantagens e desvantagens de franquias

Nesse texto, até agora, você só deve ter visto vantagens do franchising, e isso de fato é condizente com a realidade, pois o sistema tem muitos pontos positivos. Porém, todos os investimentos financeiros têm desvantagens e pontos negativos. A questão é, realmente, entender quais são prioridades para você, e o que são pontos inegociáveis.

Por exemplo, se a segurança e não começar do zero forem muito importantes, o franchising pode ser pra você! Por outro lado, se você quer criar um negócio do seu jeitinho, que tenha a sua cara, é importante repensar. Vamos conhecer as vantagens e desvantagens do sistema e falar mais sobre elas:

Vantagens

Você não começa do zero

Para um franqueado que está começando agora, uma das maiores vantagens de abrir uma franquia é que ele não precisa começar do zero. As marcas em que vai apostar já estão consolidadas no mercado. Isso o poupará de anos de tentativa e erro, e ele poderá se juntar a uma equipe que já sabe o que está fazendo.

Assim, o franqueador fará parte de uma marca conhecida, respeitada e desejada no mercado. Isso significa, por exemplo, que ele não precisa enfrentar tantos concorrentes, e que o cliente já tem vontade de comprar antes mesmo de abrir uma loja. Dito isso, o novo franqueado tem boa parte do caminho pronto e pode colher os frutos de anos de trabalho pela frente.

Se você já criou uma empresa do zero, ou tentou criar, sabe o quão trabalhoso é fazer ela se consolidar e dar certo. Imagine quantos anos levaria para atingir o sucesso de uma marca como Cacau Show por exemplo? Além disso, muitos problemas podem surgir no caminho graças a falta de experiência e ao negócio desconhecido.

Para tudo isso o franchising surge como resposta e solução. No franchising, diversos empreendedores experts e com muita vontade se unem em um objetivo comum, em vez de ficar competindo entre si no mercado. No franchising, você tem uma rede de know how que te prepara para ter um negócio sólido e de sucesso premeditado.

Suporte do franqueador

Outra grande vantagem do franchising é poder tirar dúvidas e ter ajuda para resolver problemas durante a execução do seu negócio no dia a dia. Não é obrigatório para nenhum franqueador oferecer suporte, mas é muito comum que o façam. Cada franquia oferece um tipo de suporte, como curso para novos franqueados, central de atendimento, fornecimento de matéria prima ou do produto pronto, além de um marketing padronizado e de ações feitas em conjunto, como já conversamos. 

Para o franqueador, é bom oferecer um suporte, porque a marca como um todo está em jogo, e não apenas uma unidade franqueada. Assim, é vantajoso garantir que as operações dêem o melhor resultado possível.

Planejamento estratégico

Uma das grandes vantagens do franchising em geral é que, como grandes empresas com objetivos de crescimento, elas possuem um plano estratégico desenvolvido por especialistas que estudaram cuidadosamente a situação em que a empresa se encontra. Diante disso, é possível saber exatamente quais passos seguir, em que investir e quais áreas precisam funcionar melhor. Ou seja, pode-se usufruir das vantagens de um negócio claro.

Esse plano estratégico geralmente é feito pela matriz junto aos seus franqueados em uma conversa sobre os rumos da empresa. Com o poder de uma empresa fortalecida, é possível contratar os melhores especialistas para direcionar um caminho excelente, objetivo e certeiro para atingir os objetivos esperados.

Cabe lembrar que o planejamento estratégico de uma franquia precisa ser seguido e executado por todas as unidades, sem exceção e sem dissonâncias.

Menos custos

Você sabia que investir em uma franquia é mais barato do que abrir uma empresa no mesmo ramo do zero? Sim. Por mais que uma taxa de investimento inicial pareça alta no franchising, pode apostar que abrir sua empresa do zero seria ainda mais dispendioso. Isso acontece porque inúmeros gastos como contratação de advogados, marketing individual, além de anos de tentativa e erro cumulam em gastos muito grandes, que são evitados dentro de uma rede já pronta.

Pense sobre quanto dinheiro custaria abrir uma loja de roupas do zero: produzir as peças, comprar a matéria prima, escolher uma logomarca, contratar uma empresa de criação visual, estabelecer fornecedores, abrir o CNPJ, contratar um advogado ou equipe, escolher o ponto comercial, comprar o local, arcar com toda a abertura, e ainda fazer campanhas para atrair os primeiros clientes.

Em uma franquia, a taxa cobre parte desses gastos, mas parte deles é amenizada pelo coletivo e pelo fato de a marca já existir.

Os números estão a seu favor

Como já falamos nesse texto, investir no franchising é promissor economicamente. Os números apontam crescimento constante nos últimos anos, além de indicar uma expansão para 2023. Além disso, no Brasil as marcas têm se tornado cada vez mais presentes na forma de franquias, e estas têm aberto cada vez mais unidades.

E isso sem contar que as estatísticas também provam que investir no franchising é mais seguro que começar do zero. Ou seja, os números estão vibrando a favor do seu sucesso!

Desvantagens

Você não tem tanta liberdade

As franquias oferecem pouco espaço para criatividade e inovação independentes porque as marcas devem funcionar como um todo. Se alguém espera inovar e criar uma identidade desde o início, a franquia provavelmente não é uma boa coisa a se fazer. Afinal, todas as unidades precisam ter a mesma identidade visual, com os mesmos sistemas de produção, insumos e produtos.

Além disso, não é possível ter muita flexibilidade em termos de gestão do negócio. Isso porque o franqueador é quem decide quais anúncios produzir, o planejamento estratégico e o rumo da expansão. Claro, todos esses pontos podem ser decididos através do diálogo, mas cada ideia deve ser considerada como um todo, não apenas uma parte.

É importante lembrar que são feitas visitas regulares à franquia para vistorias, a fim de garantir o cumprimento das normas estabelecidas por todas as unidades.

E se não der certo?

É claro, herdar todo o sistema de uma marca já testado e consolidado é muito mais fácil e tem mais chances de dar certo que começar do nada. Mas, e se por um acaso aquele sistema for falho? Se, por acaso, você investe em uma franquia de festas, e é surpreendido por uma crise sanitária? Se o negócio deixar de fazer sentido para os clientes, ou então se a propaganda escolhida não der certo? Essa é uma possibilidade que trará consequências para todos os envolvidos, e não apenas para aqueles que tomaram as decisões, e essa pode ser considerada uma desvantagem.

Porém, é preciso considerar que riscos são inevitáveis, e estarão presentes em todas as apostas financeiras, e o franchising não deixa de ser uma. Porém, essas chances mencionadas são remotas, se você estudar bem o que está como tendência de mercado e sobre a marca.

Como comprar uma franquia

Se você decidiu nesse texto aderir ao franchising, e está pensando em como fazer isso, vamos entregar um passo a passo para você.

O primeiro passo é conhecer seu perfil de empreendedor. Se você é uma pessoa com forte espírito empreendedor, que gosta de ser totalmente autônomo e gosta de ficar criando coisas novas, investir em uma franquia pode não ser uma boa escolha, pois exige o cumprimento de regras e padrões.

Embora isso possa parecer uma coisa ruim, na verdade é muito bom seguir essas regras, pois acredita-se que elas apenas aumentam a garantia de sucesso nos negócios. Acredite: as regras não acontecem por acaso! O franqueador tem que testar, errar e acertar até entender o que de fato é bom para o negócio prosperar e fazer um bom trabalho em vendas, comunicação e marketing, precificação, relacionamento com stakeholders, etc.

Regras e padrões servem como recursos de proteção no franchising porque garantem que o franqueado receberá uma transferência de expertise e que o franqueador verá sua marca crescer de acordo com padrões de identidade específicos.

 Em última análise, você precisa escolher uma franquia e um segmento de atividade com base em vários critérios.  Depois de fazer essa escolha, é hora de se mexer.

 Ao concluir esta última etapa, você pode se inscrever para ser considerado na seleção do franqueador.  Normalmente, um franqueador analisa suas informações e decide se elas se encaixam em seus critérios antes de fornecer a você um COF.

o que é franquia

Como transformar minha empresa em franquia?

Se o seu interesse é transformar sua empresa em uma franquia, ou seja, entrar no mundo do franchising, o processo inclui: formatação, expansão e controle das operações.

Na fase de formatação da franquia, uma consultoria empresarial especializada em franchising ajuda você a entender e padronizar seu processo de forma reprodutível, além de organizar e padronizar tudo, desde a situação atual até o próximo nível.

A formatação é, portanto, uma etapa complexa que requer muita experiência e atenção para ser feita da melhor maneira possível. Então é hora de expansão da franquia. Nessa etapa, você terá que abastecer sua unidade e vendê-la para um franqueado, sempre escolhendo aqueles que realmente tenham a imagem desejada.

Qual é a melhor opção: filial, franquia ou loja licenciada?

Agora que você já entendeu tudo sobre o franchising, está na hora de buscar o modelo ideal para investir. Você pode ser um franqueador, um franqueado, ou ter um licenciamento. Se você ainda não sabe a diferença entre eles, e quando cada um é melhor, descubra tudo agora.

Primeiramente, ser um franqueador significa abrir uma franquia, ou seja, expandir uma marca por meio do sistema de franchising. Assim, esse é a opção perfeita para quem sonha em abrir uma marca, para quem quer ser o dono de um sistema forte e expandido. Ou então, ser franqueador é perfeito para os empreendedores que já possuem uma marca, e decidem fazê-la crescer. Assim, basta abrir o capital da marca para investimentos de novos franqueados, criar uma COF, e planejar o treinamento e suporte que será oferecido. É preciso de uma operação bem complexa e robusta para criar uma franquia do zero, e para isso você pode contar com a ajuda da Goakira Consultoria.

Por outro lado, se você se identifica com a ideia de fazer parte de uma marca já existente, abrindo uma unidade de uma franquia, você vai abrir uma filial. As filiais são novas unidades franqueadas na sua localidade, ou em outros locais do país e do mundo. Para se tornar um franqueado, você precisa escolher uma marca, enviar seus dados para receber a COF, e passar por uma avaliação da empresa. Se você for aprovado, pode abrir uma filial.

Por último, existe a possibilidade de licenciamento. Por exemplo, mochilas temáticas da Barbie e roupas da Disney são produtos licenciados, que precisam de autorização das marcas para existir e ser produzidos e comercializados em outros locais. Existem, também, as lojas licenciadas, e você pode ter uma delas. Não funciona da mesma forma que o franchising, ou seja, não há tanta proteção legal, nem suporte. Geralmente, as lojas funcionam por si só, apesar de ter que pagar royalties para as marcas originais. Porém, essa é uma opção para quem quer ter liberdade na hora de montar seu estabelecimento.

Conclusão

Entrar no mundo do franchising pode ser uma ótima decisão para quem quer se tornar seu próprio chefe, empreender e começar a ser o responsável por seus próprios resultados no futuro. E isso tudo ainda com segurança, marcas potentes e se beneficiando do que o modelo tem para oferecer.